sexta-feira, 1 de junho de 2018

SUPOSITÓRIOS

SUPOSITÓRIOS
                                          (Pierre da Gama)

Na infância:
supus que os adultos eram homens sérios;
supus que os estudos teriam mais valor do que um instrumento musical;
supus que palhaçadas deveriam ficar restritas a picadeiros;
supus que  todos os que diziam ser honesto não eram hipócritas;
supus que ser fiel não era ser apenas Corintiano;
supus que o silêncio valia ouro;
supus que poções mágicas para destruir pessoas belas e do bem,
eram coisas de Contos de Fadas.

Na adolescência:
supus que as leis eram criadas para aplicação;
supus que juramentos (como no casamento) submetidos a força, deveriam ser cumpridos;
supus que caráter tinha algum valor reconhecido, e não podia ser vendido;
supus que os que exaltavam a humildade, eram humildes.

Quando já adulto:
supus que Democracia consistia em respeitar os pensamentos dos outros, e não em ter o poder de querer impor as ideias próprias;
supus que registro em Carteira de Trabalho era apenas para trabalhadores;
supus que as doutrinas e filosofias deveriam ser seguidas por seus iniciados...

Após chegar prestes a completar o ciclo de uma existência,
rico em diversidades, de culturas, de habitats, de filosofias,
cheguei a conclusão de que o homem de bem passa por esta vida
alimentando-se de SUPOSITÓRIOS...





Nenhum comentário: