Seguidores

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

BORA CAMINHAR? CAMINHAR FAZ BEM PARA A SAÚDE...

Dia 25 de setembro de 2016 fiz uma leve caminhada pelas ruas de S. J. do Rio Preto (SP), relembrando aquelas que fazia na minha infância e adolescência, inclusive as diárias de mais de 2 km - na ida e volta = 4 km, e em dias de educação física, 8 km - para chegar em minha escola “Alberto Andaló”. No ano de 1966 (13 anos de idade) foi no período noturno, em que eu descia a Rua São João até atravessar a estrada de ferro e um caminho no meio de matagal, brejo e uma pinguela (com passagem para apenas uma pessoa, e que se balançava toda ao ser percorrida) sobre o Rio Preto (hoje Av Philadelpho), com a volta muitas vezes após as 23:00h e sem qualquer iluminação. Era uma Rio Preto que eu considerava uma ótima cidade para se morar, no dia de Corpus Christi algumas ruas eram lindamente enfeitadas (com um toque da grande professora Dinorath do Valle) para a procissão, havia um grande e respeitado time de futebol (onde os verdadeiros astros do glorioso Futebol Brasileiro disputavam partidas oficiais, inclusive o REI), possuía uma bela e antiga Catedral, e os vereadores não recebiam salários

A fase adulta chegou e, recém formado em Engenharia, em janeiro de 1977, deixei essa bela e aconchegante cidade para ajudar a construir um novo Estado em uma região pouco desenvolvida: Mato Grosso (do Sul). Ao voltar, após um longo tempo, ela tinha sido tachada de uma das melhores cidades para se morar, com a Catedral antiga demolida e uma nova construída em meio a um micro shopping com estacionamento em seu teto; um novo e grande Estádio (mas sem time); a pracinha (Gandhi) em frente a casa que deixei transformada em reduto de drogas, sexo noturno e local de ensaio de escola de samba impedindo seus moradores de assistir TV, em que fiquei imaginando o martírio que minha mãe foi submetida ao ser obrigada a sozinha e impotente ter que suportar toda essa evolução; áreas elitizadas com muitas luzes artificiais criadas por homens com poucas luzes; tudo isso refletia toda a sua transformação de valores. E com isso dá a impressão de que atrai os gringos garimpeiros políticos sedentos de usufruir do filão em que fora transformada.



Sempre que vou a uma consulta ou exame médico sou questionado se faço exercícios físicos, no que respondo: “Aboli o carro na cidade e caminho no mínimo 10 km por dia, reservar um tempo exclusivamente para exercícios eu não consigo.” Acredito que nem aqueles médicos residentes em minha cidade, nessas horas, imaginam que os meus trajetos são parecidos com os das fotos (repletos de morros)... Nem sempre vou com todo esse equipamento, mas constantemente com sacolas de supermercados super-carregadas...
Isso me faz lembrar quando, em 1994, ao iniciar um curso de mestrado em Ilha Solteira (SP), ao abaixar-me para pegar algo que caiu e levantar-me rapidamente, o dono do Restaurante em que me encontrava (da minha faixa de idade), Sr. Gabriele, exclamou: “Se eu abaixar assim não consigo levantar mais!” Passaram-se 22 anos e minha flexibilidade continua a mesma... Como sempre gostei de abolir o carro, não com tanta agressividade, pode ter contribuído para que eu chegue aos 64 anos sem qualquer cirurgia, das mais simples que sejam (incluindo apêndice ou vesícula), sem qualquer internação e:
PA média: 12x07
Glicemia média 85
Colesterol e triglicérides dentro da normalidade
Não lembrar a data do último remédio tomado
Nem um dia de internação nesta vida





















sexta-feira, 2 de setembro de 2016

CHEGO AOS 64 TOTALMENTE VICIADO...

Ao completar 64 anos sinto-me totalmente viciado em:

Não tomar remédios.
Não fumar. (nunca fumei)
Não ingerir bebidas alcoólicas fortes ou em demasia.
Não ingerir drogas ilícitas, DE FORMA CONSCIENTE. (esse vício me acompanha desde que nasci)
Não agredir meu semelhante.
Instrução constante nas mais variadas vertentes e direções (em uma parte de minha vida eu deixei-me viciar pelo poder dos números e vivi dentro de um minúsculo RETÂNGULO QUADRADO)


AINDA BEM QUE DIZEM QUE EXISTEM OUTRAS VIDAS, NESTA FUI UM MAL APRENDIZ, MAS NA OUTRA VIREI PREPARADO PARA APROVEITAR E CHEGAR AOS 64 ANOS COMO UMA PESSOA NORMAL COM PELO MENOS ALGUNS DOS GANHOS CONDIZENTES COM A IDADE:
- Uma estante cheia de remédios.
- Algumas pontes de safena.
- Início de cirrose.
- Enfisema pulmonar ou alguma outra doença causada pelo fumo.
- Mal de Alzheimer.
- Curado de algumas DST.
- Doença de Parkinson.
- Algumas passagens pelo AA.
- Algumas internações hospitalares.
- Alguns ou diversos títulos processados.
- Alguns divórcios.
- Algumas marcas de AVC.
- Algumas sessões de terapia.
- Disfunção erétil.
- Algumas vantagens obtidas por NEPOTISMO, no trabalho, nos estudos e/ou na aquisição de documentos.


Meu amado Deus eu lhe prometo que irei me esforçar bastante para ser considerado normal dentro do mundo em que criar e me colocar na próxima viagem, assim ela será mais suave quando em contato com os seres normais, e desfrutarei de todos os prazeres que me forem oferecidos...


DESCULPE-ME SENHOR, POR TER DESPERDIÇADO ESTA VIDA ANDANDO NO SENTIDO CONTRÁRIO!

A MAIOR DESGRAÇA